quinta-feira, 5 de março de 2009

Comecei escrevendo que gostaria de recomeçar tudo e corrigir o que foi construído errado. Segundos depois apaguei. E refutei a minha própria idéia. Não. Nada pode ser reparado. Tudo foi como deveria ser. Seguindo a rotação do tempo. Seguindo a translação das horas. Cada ponto. Cada vírgula. Cada exclamação. Foram tantas durante todos esses meses. Aleluia pelas palavras construídas de forma cuidadosa, arrependimento por coisas ditas sem pensar. Quero fazer de cada dia um novo dia. Descobrir uma faceta. Descobrir novos significados, novos sinônimos para essa palavra..amor. E com isso redimensionar a minha crença, que anda descrente no meio desse turbilhão de sentimento.

5 comentários:

Cynthia Oliveira disse...

Meu querido,
De chorar. Sabe, eu raramente fico com lágrimas nos olhos lendo algo; raramente choro ou penso de forma emocionada quando leio algo.
Com cinema é mais fácil. Teatro, então, só de entrar, choro (em primeiro lugar, de alegria, por poder ter tido $$ para comprar aquele ingresso - rs). Mas com texto, raramente chego às raias da lágrima; emoção eu sinto, sim, como não?! Pessoa! Lispector! Lorca! Ah, e tem um livro "De cócoras", do Silviano Santiago, é meravilhoso (com esse eu chorei horrores).
Mas sem me perder, vamos lá... 1,2,3! Seu texto é maravilhoso, Jonas, é de chorar de emoção. Já me peguei fungando em uns três textos seus. Esse foi um deles. Tem muito sentimento, tem muita verdade, tem sangue, tem lágrima, tem suor, tem verdade!
Obrigada pelas lágrimas nos teclados. Achei que nunca as veria.
bjs.

Cynthia Oliveira disse...

Ah 1 - lembrei! Queria te dizer que um dos significados pra 'amor' tem a ver com isso que está escrito aqui. Se antes já era fácil o amor por essa figura adorável que é você, agora, vendo você nesta telinha, mais amor ainda transbordando.

Cynthia Oliveira disse...

"Aleluia pelas palavras construídas de forma cuidadosa, arrependimento por coisas ditas sem pensar." (por Jonas Arrabal).
E que Deus nos conceda a alegria do arrependimento e da nova oportunidade a cada tropeço.
Você tem alguma idéia da Força que tem este seu escrito?
bjs;

Elza disse...

Breve texto, lindo texto, texto certo para os momentos incertos que as vezes nos tumultuam.. Mas passa, tudo passa, né meu amor. E o bom mesmo é que a gente se reconstrói mesmo quando dói!!
te amo!!

Rosana Tibúrcio disse...

Que lindo seu texto e que instigante esse desejo de descobrir e redimensionar o amor, mais que a palavra.

Obrigada pela visita no Outras Trilhas. Volte, gostei muito e estamos juntos na escada de Rafael - ao muito bom em comum.

Gosto do nome do seu blog e ele estava aqui em "favoritos", pasta "voltar"...
Voltei, não sem antes te ver nas lá minhas trilhas, porque tumultuadas elas estão.
Mas voltei, e gostei muito, é o que importa.
Beijocasssss